quarta-feira, 30 de setembro de 2009

EDGAR



Poeta!
Observa as estrelas
Polvilhadas em um céu infindo.
Tal qual os flocos de neve dos anos
Que desponta em sua vasta cabeleira.
Quem diria?
Você futuro de ontem, passado do futuro,
Ausente no presente.
Há poeta!
Quantos endereços?
Quantas culturas?
Quantos amores platônicos?
A cornucópia dos iletrados
Escarnece de seu ofício,
Suas pífias letras, obsoletos versos
E um vasto coração.
Lastro do moderno e do antigo
Mergulhado com sutilezas, safadezas,
Destrezas e tristeza que estava
Selado,
Script ensaiado
Nas linhas de suas mãos.
O gato que ri de Alice,
Já foi preto e tinha uma forca desenhada no pescoço.
O contista foi encontrado morto no esgoto.
Até hoje ouço o seu corvo,
Que era o mesmo de Berger.
Ele gritava:
Nunca mais!
Nunca mais!
Nunca mais!

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

A Vida É Rock!


Podemos traçar uma linha cronológica que se inicia na Idade Média com a Música Clássica, passa pelo Jazz, pelo Blues, chega no Rock ´n Roll e, finalmente, termina no Rock. Entretanto, até o Blues, as nomenclaturas eram bastante contemplativas em relação ao produto sonoro produzido. Ou seja, não se precisava ser um expert para facilmente discernir e denominar uma obra Clássica, um Jazz ou um Blues. Mas como dizer o que é Rock, Rock ´n Roll, ou um estilo ulterior qualquer? É exatamente essa a atração sublime do estilo musical que se tornou modo de vida das gerações adolescentes que vieram e ainda estão por vir.

A Música Clássica - além de sua beleza universal e inconteste – classifica-se pelo seu rigor formal e sua técnica impecável, tornando-se um estilo restrito àqueles que podiam pagar pelo estudo diferenciado. Mais adiante, a ambição humana pelo ritmo embalado, em detrimento das notas firmes da Música Clássica, e por instrumentos e técnicas mais acessíveis a um público menos elitizado fez surgir o Jazz, que, grosso modo, pode ser entendido como uma Música Clássica marginal, combativa e destrutiva. Um estilo que, em meio a fusas e semi-fusas, abriu espaço à improvisação, a partituras nem tão perfeitas – e por isso tão perfeitas -, aos instrumentos simples, à voz humana – não como complemento, mas como parte integrante -, aos erros, às angústias, aos anseios; enfim, o Jazz abriu espaço às características humanas, antagônicas ao desejo transcendental divino da Música Clássica.

Mas, mesmo tendo todas essas características reacionárias em seu cerne, era inegável a origem metódica do Jazz, proveniente de uma simbiose com Música Clássica. Então, em busca do som “natural”, mais uma cisão, dessa vez os elementos afro foram incorporados com mais força, tornando o ritmo e a melodia os elementos principais do novo estilo, indescritivelmente humano. Assim surgiu o Blues.

Com o Blues, a música deixou de ser algo feito de fora para dentro, a partir dele, a técnica não demonstrava a emoção, mas o inverso: a emoção e a sensação é que guiavam a técnica. Os sentimentos, a seu bel-prazer, é que coordenavam a ordem dos acordes, dos tons e dos timbres, através de improvisações e ritmos com muito feeling. Nesse meio de liberdade e originalidade é que a uma nova transformação deu-se o nome de Rock ´n Roll. Daí para diante, a música deixou de ser apenas música, e passou a ser um estilo de vida, uma válvula de escape às mazelas da monotonia moderna. E para alcançar este objetivo: a libertação, tudo se torna válido. A importância deixa de ser o como fazer, mas sim o que fazer. E essas características transcendem o puro fazer musical, e são incorporadas ao modo de pensar e agir daqueles que passam a apreciar o novo estilo que tem o poder de explodir todas as concepções conservadoras e limites impostos.

O Rock dá vida nova à vida, mostrando o outro lado da moeda. Apoiados no novo estilo, todos são capazes de tudo, e a lei de ordem é não ter ordem; as proibições são proibidas e a destruição confunde-se com a mais bela estética da criação.

sábado, 12 de setembro de 2009

11 de setembro oh happy day

11 de setembro visto pela ótica do oprimido, não do opressor.

Letra e música de KBÇAPOETA.

video

Sempre procurei algum lugar
Longe de tudo e todos me refugiar
Algum esconderijo que eu possa viajar
Mas para os estates eu não!Nem pensar
Não é o fato que aconteceu
Naquela semana
Mas nunca gostei da arrogância americana
As duas torres que lindas1ficaram em chamas
Só falta surgir uma insurgência latino americana
Estates potencia do mundo yesterday
11 de setembro 2001 oh happy day
Tratado de kioto não assinou
Hiroshima Nagazaki estraçalhou
Autonomia da ONU se perdeu
O grande irmão de Orwel apareceu