sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Obama o dono do mundo



Agora só se fala em Obama,como se ele fosse presidente do mundo,mas na verdade é, então vamos ao seus comandados:

Obama irá ter algum problema de gestão,como acontece a todo gerente novato em uma equipe.O gerente Obama irá traçar o perfil comercial de sua empresa.
Obama é um empresário desenvolvimentista;irá começar pelos empregados menos qualificados.
Ao descer no celeiro de sua empresa Obama visitou sua equipe de produção.
Na entrada não estava a lista dos encarregados de cada setor;Obama furioso criou uma lista na hora,perguntando pessoalmente para a "pionada" quais eram os seus nomes,pois ele irá fazer um crachá azul de cartulina escrito a pincel atômico vermelho,o nome da jaguarada:

Luiz Inácio Lula Da silva-Brasil (Não é bem visto pela empresa mas ainda traz lucros)
Chile - Michelle Bachelet
Rafael correa-Equador (Funcionário revoltadinho,mas daqui a pouco irá aceitar as normas da empresa)
Cristina Kirchner -Argentina (Por ser a funcionária gostosinha da empresa,e faz quase tudo o que o chefe manda a deixaremos em Stand by)

Lista negra
Sindicalistas com estabilidade.
Infelizmente a empresa não pode demitir essas criaturas horrendas comedoras de criancinhas

Venezuela-Hugo Chaves (O funcionário brigão que sabe a intensidade da força popular)

Bolívia-Evo Morales (Puxa saco de Hugo,daqui a pouco em nome da guerra as drogas uma bomba caí no seu departamento)

Agora os futuros paus mandados de Obama.

Uruguay - Tabaré Vázquez
Peru - Alan Garcia (Que tem aversão de latinos)
Colombia - Álvaro Uribe (aluno exemplar)
Guiana - Bharrat Jagdeo

PS. Tem a Guiana Francesa - Antoine Karam presidente do Conselho do SEAS,mas é área do Sarkozi, Obaminha não se mete.

O Retrato Avesso de Um Ser


Em momentos assim que sinto meu corpo flamejar, minha mente entorpecer-se de ódio; um rancor inexplicável que faz um sangue espumante ser expelido em forma dos mais variados impropérios ao mundo.
Quero matar, não posso controlar. Meus punhos suplicam sangue; minha consciência quer sentir-se culpada por algum crime hediondo cometido em momentos de descontrole psicológico.
Sou pesado, não consigo respirar. As paredes sufocam meus sentimentos. O som que estridente brota dos alto-falantes apontados para meus ouvidos ensurdece-me; esconde meus instintos; camufla meus gritos.
O satanismo inexistente existe; cultuo o morto e o assassino. Sou o carrasco do meu próprio ser; executo e sou executado.
A navalha penetra na carne e derrama o sangue que é o combustível de um corpo sedento; de um ser noturno que vaga soturno pelos locais mais insalubres da noite.
Aqueles pensamentos lúgubres envolvem meu ser. A essência mórbida do ar que desliza do cemitério até minha face percorre um longo caminho até chegar ao fundo do meu coração e ali plantar a semente do eterno.
Aos poucos aqueles sentimentos vão esvaindo-se, tão lentos e graduais como surgiram. Tão sensíveis como o impacto que causaram.
Daqueles momentos de devaneios insanos, o que resta são as lembranças vertiginosas de uma viajem ao desconhecido, o conhecimento do interior negro que habita meu âmago.
Sou a jaula de um demônio incontrolável; o béquer de uma substância instável e destrutiva. Meu corpo é a prisão do criminoso mais pecaminoso que a humanidade conheceria; o tirano mais inescrupuloso, cuja ira submeteria a nação à desumanidade completa.
A humanidade é assim composta de elementos visivelmente idôneos, mas que na verdade não passam de mais um complemento da real natureza primata e selvagem dos homens: únicos seres pertencentes ao meio terráqueo que premeditam os mais capciosos crimes, seja contra a pureza da natureza, seja contra a podridão de si próprios.
Um retrato de um ser ao avesso, que acima de tudo é humano: a pior de todas as aberrações que vaga pelos espólios desse universo.

Onde Foi Que Marx Errou?


Mais um ano em que o sistema de cotas está em vigor na UFRGS, e mais um ano em que seu “objetivo” não é cumprido. Negros continuam relegados a um segundo -ou terceiro- plano, e nossos verdadeiros necessitados sequer sabem o endereço de nossa universidade...

O sistema de cotas é falho, pois beneficia não àqueles para os quais as cotas deveriam ser direcionadas: vestibulandos de baixa renda que nunca tiveram oportunidade de se dedicar integralmente aos estudos, devido à necessidade de conciliar a carreira profissional com as aulas, e assim poderem cooperar com as despesas domésticas de uma família que, em muitas vezes, têm um número expressivo de integrantes dependentes única e exclusivamente da renda deste futuro vestibulando.

Então, supondo que por alguma razão, este estudante que não teve oportunidades de estudar, pois deveria trabalhar durante a maior parte do dia, venha a passar no vestibular beneficiado pelo sistema de cotas, como ele, agora, conseguirá administrar seu tempo para que possa realizar as cadeiras da universidade federal gaúcha, sendo que nela os horários não são fixos e se misturam em períodos de manhã, tarde e noite? Se este estudante puder abandonar seu emprego para cursar a universidade - em que a maior parte dos alunos não trabalha - ele não precisaria ter ingressado apoiado ao sistema de cotas, pois poderia investir seu tempo que, agora (aprovado) dispõe, para se preparar e atingir a pontuação necessária.

É exatamente isso o que o sistema de cotas faz: mantém a exclusão. Pois aquele estudante que verdadeiramente dependeria das cotas, ou não é atraído para a universidade por não poder manter o sustento de sua família, ou é desclassificado durante o processo, que como sabemos, é de alto nível de dificuldade, e que, dependendo do curso escolhido, só é possível a aprovação - mesmo apoiado às cotas- mediante a um excelente programa de estudos, e, segundo às opiniões favoráveis às cotas, alunos egressos de escolas públicas não dispuseram desta ferramenta. Não bastando isso, o estudante que realmente dependeria das cotas, caso não seja desclassificado pelo ponto de corte, no momento de competir com seus adversários, também "cotistas", perde sua vaga para aqueles que desfrutam indevidamente da oportunidade das cotas.

Alunos que desfrutam indevidamente das cotas são aqueles vestibulandos, em sua maioria de classe média, que estudaram em escolas públicas por estas estarem mais próximas de suas residências - não havendo necessidade do uso de conduções-, por exemplo. Ou que na família já exista um irmão mais velho cursando alguma instituição de ensino privada, e este estando mais próximo do vestibular, faz com que sua família, por não ter condições de pagar para ambos, e afim de assegurar a possibilidade da aprovação em uma universidade gratuita, abdique do ensino do mais novo, o qual, entre outros motivos, pode ter adquirido vínculos de amizade na escola, o que o faz optar por cursar toda sua carreira escolar em uma instituição pública. Além desse exemplo, existem muitos outros que podem levar alguém com condições de pagar uma escola particular, optar por matricular seu filho em uma escola pública, e assim poder, com o dinheiro economizado durante os anos letivos, investir em cursinhos pré-vestibulares que, como se sabe, é o que faz a diferença na hora de garantir uma vaga na universidade. Por outro lado, famílias sem necessariamente condições de pagar uma escola privada optam por fazê-lo na esperança de garantir a aprovação em uma universidade pública, pois se comparado o custo do ensino médio com o do superior é sabido a diferença exorbitante. Como conseqüência, os cotistas estarão tão preparados quanto os não-cotistas – e em alguns casos, até mais-, como exemplo, o que ocorreu no concurso vestibular UFRGS/2008 e UFRGS/2009, em que alunos, oriundos de escolas públicas, prestaram vestibular para medicina e obtiveram uma pontuação mais alta do que muitos dos primeiros colocados pelo acesso universal.

O eufemismo das cotas para auto declarados afro descendentes remonta – ao meu ver- escamoteadamente uma época da história em que judeus e alemães tinham momentos diferentes para cruzar a rua; estabelecimentos restritos a não judeus e outras formas irracionais de segregação. Entretanto, hoje, parecemos estar apoiando esse – vejam as aspas- “bom nazismo”, o qual segrega, diferencia etnicamente e, em última análise, humilha. Mas será mesmo por uma boa causa?

Temos poucos negros em nossa universidade? Sim, é fato estatístico, todavia as reformas de base deveriam iniciar pela base do problema e não pelo topo da pirâmide.

O estado é único, e prima de mesma forma para todos. Se as instituições de ensino público são responsabilidades do governo e a atenção é dada de maneira igualitária para todas as escolas, como pode um aluno declarado cotista - por não ter as mesmas oportunidades de estudo que os não cotistas - alcançar uma pontuação superior à maioria das conseguidas por alunos ditos “melhores preparados” (escolas particulares)? Por qual razão, alunos cotistas classificados nos primeiros lugares pelas cotas em seus respectivos cursos conseguiram médias superiores a inúmeros outros classificados pelo acesso universal?

Existe um grande abismo que separa a oportunidade de estudo da regalia desmedida. Alguém com ambição de mudar seu quadro social através dos estudos deve apoiar-se em seu esforço e mérito, e não em uma brecha - proposital ou não- deixada no sistema de seleção.

O Brasil quer igualdade, quer progresso? Pois bem, todos queremos. Apoiamos incondicionalmente a inclusão social, entretanto uma inclusão realmente inclui quando nenhuma parte do todo é retirada. Caso contrário, não estamos à beira de uma revolução social, mas sim de uma substituição disfarçada.

O grande donatário de privilégios não é a direita nem a esquerda, mas sim o estado que agora pode esbanjar dados favoráveis quanto ao ingresso ao ensino superior, e conseguir esmolas dos financiadores internacionais.

A reforma não deve ser somente paliativa para sanar problemas gritantes, deve ser de base e bem estruturada. Não devemos abrir as portas das nossas universidades a “pseudocotistas” -despreparados e oportunistas -, mas aperfeiçoar o ensino e dar oportunidades iguais àqueles que realmente querem estudar. Para assim fazer, devemos expandir significativamente projetos de cursos pré-vestibulares gratuitos, onde só chegarão vestibulandos realmente interessados em alcançar um lugar na vida.

Queremos estudar? Comecemos agora! O vestibular é a melhor forma de testarmos nossa capacidade de obstinação. Pular esta etapa é chegar ao fim profissionalmente desqualificado.







Cesare Battisti


Cesare Battisti - por Mino Carta
Sempre me encantou uma frase de Samuel Johnson: a pátria é o último refúgio dos canalhas. Verifico que também pode ser dos desinformados. A decisão não é da Justiça, e sim do ministro da Justiça. Contra o asilo tinham se manifestado o Conare, órgão competente, no caso, e o Itamaraty. Cacciola não foi extraditado pela Itália por ser cidadão italiano, assim como Biggs, o ladrão inglês, não foi extraditado pelo Brasil por ser pai de brasileiro. Quando caducou a chamada doutrina Mitterrand, que dava asilo até a terroristas condenados por sentença passada em julgado, a França decidiu extraditar Battisti e por isso ele fugiu para o Brasil. Depois de anunciada a decisão do ministro Genro, o presidente não poderia dizer senão aquilo que disse na noite da quinta-feira passada. Outro ponto em que os desinformados naufragam diz respeito à situação política da Itália. Por obra e graça das manobras organizadas no Brasil pelos defensores de Battisti, espalhou-se a convicção de que a extradição foi solicitada pelo governo direitista de Silvio Berlusconi. Nada disso, o pedido partiu do governo anterior, de centro-esquerda. O terrorismo, desde seus começos, foi condenado pelo Partido Comunista e hoje seus herdeiros tomam enérgica posição contra a decisão do Brasil. Mais uma questão. A soberania da Itália não vale nem mais, nem menos que a do Brasil. Mas a afronta ao Estado italiano e à sua Justiça é evidente. O ministro Genro arroga-se o direito, em lance de inaudita prepotência, e diria também de ignorância, de contestar uma sentença em julgado na Itália. Que diriam nossos patriotas se um ministro italiano se dispusesse a discutir a condenação de um cidadão brasileiro por um tribunal brasileiro? Inacreditável. Genro conseguiu, porém, ir além, na esteira, aliás, do professor Dalmo Dallari, ao afirmar que devolvido à Itália, Battisti correria até perigo de vida. A Itália não é Darfur, é uma democracia de primeira linha, com uma Constituição que é a mais longeva da Europa continental. E o Estado italiano sabe como proteger seus encarcerados. E que diriam os patriotas se o ministro da Justiça da Itália negasse a extradição do tal cidadão brasileiro condenado pela Justiça brasileira e refugiado na península, ao alegar que o mesmo correria perigo de vida em um cárcere brasileiro? O assunto ainda vai dar pano para a manga, no entanto, este é meu esclarecimento definitivo aos patriotas e aos desinformados. Ambas as categorias deixam-se manipular, o que não me causa maior surpresa. Dá canseira, porém.

Faço as palavras de Mino Carta, minhas.

Vídeopoema VÔO LIVRE de KBÇAPOETA

video

Vôo livre


Antes de mais nada gostaria de explicar:
Não há certo ou errado!
Tudo não passa de um mosaico
com imagens mil.
A razão me cobra coerência.
Mas logo hoje em que o juízo abre falência?
Nunca mais serei sensato,
acordar cedo bater o ponto no escritório.
Tolices
Agora eu quero é o nada.
ser como um galho seco que flutua em um rio caudaloso,
sem destino mas com o seu fim certo:
Apodrecer.
Assim é a vida
E até que me prove o contrário…

Sociedade televisionada


Todos os dias recebemos enxurradas de informações sobre a crise.
Não aguento mais os efeitos que crise de crédito desencadeada pela fatalidade do Lehman Brothers e por aí vai.
Não vou dar uma de Ana Maria Braga e exaltar a idiotice e a ignorância, mas ficar vampirizando a mídia e extrair só sangue também não dá.
E por incrível que pareça, a culpada não é a mídia. Somos nós!
Se determinado programa que sai sangue, quando você liga a televisão, marca altos índices de Ibope, ele irá continuar, anuncios irão aumentar e ele torna-se um programa de sucesso.
Então antes de reclamar o estado que chegou a mídia aberta, a erotização da televisão brasileira, mude o canal, vá ler um livro se não há algo interessante para se assistir, mande seu filho ler um livro ou brincar como uma criança normal ao invés de delegar função de babá para a televisão.
Lugar de bom filme é no cinema.
Um boa cena é no teatro.
Boa estória é no livro.
Fatos é no jornal.
A televisão deveria ser o reflexo disso, mas o senso comum só assiste Tv.
O que fazer?